Arquivo de junho de 2003

sábado, 28 de junho de 2003

Mas apesar do nominimo não ser o no., os cabeças do primeiro são os mesmos do segundo. E esses cabeças coroadas deram calote em um monte de gente de uma maneira que a mudança de nome - e mesmo de estilo de fazer site - não apaga.

sábado, 28 de junho de 2003

Pessoal, o Blogger fez uma baita mudança (e lambança) nos servidores e, no processo, detonou meus post de maio todo e junho até o dia 22.

sábado, 28 de junho de 2003

Falando em São Paulo, a prefeitura mandou aviso de pauta sobre o lançamento da Liga Mundial de Pólo Aquático, cuja cerimônia seria na sede do Estadão. Nem bem o texto havia chegado, tocou o telefone da editoria de Esporte do Diário de São Paulo. Do outro, um assessor de prefeitura avisa que o convite fora apenas “uma cortesia” porque o Estadão, patrocinador do evento, não fazia questão da presença dos concorrentes à solenidade.

No dia seguinte, sairam matérias sobre a Liga apenas no Lance! e, lógico, no Estadão…

sábado, 28 de junho de 2003

Está hilária esta briga entre Rio e São Paulo. As duas se digadiam para saber quem vai ser humilhada pelas concorrentes do Hemisfério Norte na disputa para sediar os Jogos Olímpicos de 2012. Pelo que sei, Paris, Londres e Moscou estão no páreo e - cá pra nós - nem o balneário decadente, nem o túmulo do samba têm condições de derrotar nenhuma das três, né?

sexta-feira, 27 de junho de 2003

Daniela Schubnel (ex-Jornal do Brasil) não é mais a correspondente do O Dia em BSB. Depois de dois anos no cargo, ela se mandou para o Ministério das Cidades, a fim de assumir a chefia da assessoria, ficando o Robson Barenho diretamente ligado ao ministro Olívio Dutra. No lugar de Daniela, ficou Lúcia Leão. (Jornalistas&Cia)

sexta-feira, 27 de junho de 2003

A querida Taísa Fortes está trocando a Publicom pelo Departamento de Comunicação da Uerj, para onde entrou por concurso. Ela começa no dia 7 de julho.

sexta-feira, 27 de junho de 2003

Só para esclarecer: Dona Míriam não foi ao sambódromo ver a fila dos candidatos a gari. Quem este lá foi Débora Thomé, o apoio da coluna.

sexta-feira, 27 de junho de 2003

Aliás, coincidência interessante: Dona Míriam comenta que a maior parte do candidatos ao cargo de gari é composta por pardos. O Segundo Colunista faz a mesma observação.

sexta-feira, 27 de junho de 2003

Dona Míriam, a senhora foi apurar matéria na fila do concurso para gari?!!! Grande!!! Meus parabéns!

Agora, me diz: a senhora não sentiu uma pontinha de remorso que seja de defender essa política econômica sociopata que faz com que aqueles infelizes fiquem sofrendo daquele jeito?

quinta-feira, 26 de junho de 2003

A redação do projeto de lei 256/91, que regulamenta o artigo 221 da Constituição e estabelece regras para regionalização da programação cultural e jornalística no País, foi rejeitada quarta-feira pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. A decisão, raríssima, foi uma crocodilagem braba comandada pela bancada evangélica, que havia exigido para aprová-lo, ano passado, um monte de mudanças que enfraqueceram o PL de autoria da brava Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

O placar foi 23 a 16 e os deputados que votaram contra o PL foram os seguintes (atenção para alguns nomes…):

Antônio Carlos Magalhães Neto, Paulo Magalhães, Zelinda Novaes, Almeida de Jesus, José Roberto Arruda, João Campos, João Paulo Gomes da Silva, Antonio Cruz, Wilson Santos, Raimundo Santos, Roberto Magalhães, André Zacharow, José Divino, Rodrigo Maia, Mendes Ribeiro Filho, José Ivo Sartori, Heleno Silva, Luiz Antonio Fleury, Edna Macedo, Bispo Wanderval, Robson Tuma, Ildeu Araujo e Darci Coelho.

Roberto Magalhães, eleito novo relator do projeto, disse que vai reapresentar rapidamente o PL com a mesma redação. Ou seja, a manobra teria sido só para atrasar a aprovação do projeto, que seguiria para o Senado, onde será alvo de novas obstruções e provavelmente de alterações, apenas no semestre que vem, jogando para as calendas a aprovação final.